Carregando...
— Colunas e Artigos

Oscar, piadas e os limites do humor

Foto de Bruno Ferreira
Autor Bruno Ferreira Assessor pedagógico Sobre o autor

Tapa de Will Smith ofusca a violência sutil do comentário de Chris Rock, que expressa falta de empatia e de avaliação sobre o propósito das suas piadas

Imagem de destaque do post

O ator Will Smith protagonizou inúmeras notícias no início desta semana. A principal razão não foi ter ganhado o Oscar na categoria de melhor ator e sim o tapa que deu no humorista Chris Rock, em reação a uma piada com a aparência física de sua esposa, a também atriz Jada Pinkett Smith, que está com a cabeça raspada por causa de uma alopecia, doença que provoca queda de cabelo.

 

Enquanto apresentava a categoria de melhor documentário, Chris Rock brincou com casais presentes à cerimônia. Do palco, olhando para Jada, Rock disse: “G.I. Jane 2, mal posso esperar para ver, ok?”. A fala foi uma comparação da atriz a uma personagem vivida por Demi Moore, no filme Até o Limite da Honra, em que interpreta uma militar com a cabeça raspada. Ainda durante a fala de Rock, Smith levantou-se da plateia, caminhou em direção ao palco e deu um tapa no apresentador. Mais tarde, Smith foi ovacionado pelos pares ao receber o Oscar de melhor ator pela atuação em King Richard: Criando Campeãs.

 

Esse caso levanta a reflexão sobre a consequência que repercute mais do que a causa. O tapa repercutiu mais do que aquilo que o motivou, fazendo com que muitos considerassem a reação de Smith desproporcional. Não fosse o tapa, o comentário inconveniente de Chris Rock teria sido pauta na imprensa ou repercutido tanto nas redes sociais? 

 

A abordagem de muitas notícias e posts em redes sociais acerca desse episódio deixam o desconforto de Jada durante a fala de Rock e a infelicidade da piada em segundo plano. Esse episódio, porém, mais do que o tapa em si, é uma boa oportunidade para propor a reflexão, em diferentes contextos, sobre a necessidade de preservar a dignidade humana no exercício da liberdade de expressão, em especial no humor, em que a graça não deveria resultar da vergonha alheia.

 

Uma característica que historicamente destaca o stand-up comedy, gênero que consagrou Chris Rock, é o bullying, com bombardeio à aparência física de pessoas da plateia, desqualificando-as publicamente ao depreciar seus corpos fora de padrões estéticos pré-determinados. Certamente, apresentações dessa natureza já foram bem mais desrespeitosas e hoje em dia há um saudável debate sobre os necessários limites para fazer o público rir. 

 

A piada de Chris Rock foi considerada leve por muitos que seguem seu trabalho. Aos ouvidos do público, o comentário sutil sobre a aparência de Jada pode não ter sido propriamente ofensivo, uma vez que o humorista não a desqualificou por estar com a cabeça raspada. No entanto, ao evidenciar a sua aparência, tocou numa ferida sensível para a atriz. Se faltou civilidade a Will Smith na reação ao comentário infeliz, faltou a Chris Rock uma avaliação cuidadosa do propósito de sua piada e do que ela poderia despertar em seus interlocutores.

 

Qualquer manifestação cuja intenção é conquistar a adesão do público – seja uma opinião, alicerçada em dados ou em dogmas; ou uma piada, em que se empregam elementos discursivos para provocar o riso – precisa orientar-se pelo respeito à dignidade humana, princípio que permeia a perspectiva brasileira de liberdade de expressão e está presente em nossa legislação. 

 

Ainda que o humor tenha como objetivo provocar o riso e despertar a graça, sabemos que nem todas as suas mensagens provocarão as mesmas reações no público. Mas, ao refletir sobre os limites dessa prática, o humor torna-se mais inclusivo e sofisticado. Piada feita respeitando-se os limites da liberdade de expressão até poderá ser sem graça, não por ser ofensiva, mas apenas por ser mal construída.

Foto de Bruno Ferreira

Bruno Ferreira

Assessor pedagógico

Jornalista e professor. Mestre em Ciências da Comunicação e especialista em Educomunicação pela ECA/USP. Possui licenciatura em Educação Profissional de Nível Médio, pelo IFSP. Atuou como professor de Comunicação e Desenvolvimento Social, no Senac-SP, como consultor de alfabetização midiática e informacional da UNESCO e formador de professores de redes públicas de ensino.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade