Carregando...
— Colunas e Artigos

Inovar na educação para reforçar o valor da democracia

Foto de Bruno Ferreira
Autor Bruno Ferreira Assessor pedagógico Sobre o autor

A consolidação de valores democráticos depende de uma educação que promova o uso ético e crítico das tecnologias digitais de comunicação.

Imagem de destaque do post

📸: LR Moreira/Secom/TSE

Em 15 de setembro celebramos o Dia Internacional da Democracia. Essa palavra, no entanto, pelo senso comum, parece reduzir-se ao direito de votar a cada dois anos no Brasil. Embora mais pautada ultimamente pelos veículos de imprensa, em razão de manifestações recentes a favor da volta da ditadura e por intervenção militar na nossa política, faltam espaços que reforcem que hábitos cotidianos, como a expressão de opiniões, insatisfações e reivindicações, por quaisquer meios, são conquistas democráticas.

É apenas em democracias consolidadas que cidadãos comuns, individualmente ou organizados coletivamente, podem expor suas ideias e opiniões e fazer uso de espaços e recursos digitais com liberdade. No entanto, não é a condição de usuário de redes sociais, ainda que hábil do ponto de vista técnico, que torna um cidadão democrático, embora seja a democracia que garanta o exercício de sua liberdade de expressão nesses ambientes virtuais. 

É por isso que as questões comunicacionais dos nossos tempos, permeadas por pós-verdade e desinformação, são consideradas por diferentes currículos da educação básica, com a intenção de formar cidadãos capazes de se relacionar com as mídias e com a informação sem ingenuidade. E para formar pessoas críticas é preciso estimular que a apropriação das tecnologias digitais seja acompanhada pelos mesmos valores democráticos que reconhecem o acesso a elas como um direito fundamental nos dias de hoje.

A educação tem esse papel. É ela que dá  sentido cidadão às práticas sociais. No que se refere ao uso da tecnologia, os processos educativos devem incorporar as mídias e os provedores de informação para formar cidadãos que valorizem a diversidade e o contraditório. Instituições de educação devem ter uma posição firme de defesa da dignidade e dos direitos humanos, orientando estudantes para que suas comunicações cotidianas levem em conta esses critérios civilizatórios, em vez fazer vista grossa à apropriação nociva desses recursos, para a expressão de mensagens que atentem contra a dignidade de pessoas, grupos e instituições.

No entanto, os princípios de uma comunicação ética e responsável não devem ser tratados na escola ou em qualquer outro espaço potencialmente educativo apenas na teoria. É preciso que a educação proponha vivências democráticas às crianças e jovens, o que passa, necessariamente, pelo exercício da comunicação. Como aprender a ser democrático sem ouvir o outro, sem considerar a participação dos demais, sem reconhecer que esse é um direito de todos?

Sobre isso, Jesús Martín-Barbero (1937-2021), importante intelectual espanhol radicado na Colômbia, tem um belo comentário em um artigo que escreveu ainda no início dos anos 2000, sobre como educar para a democracia. Disse ele: “Não se aprende a ser democrático em cursos sobre democracia, aprende-se a ser democrático em famílias que admitem pais e filhos não convencionais, em escolas que assumem a dissidência e a diferença como riqueza, com meios de comunicação capazes de dar verdadeiramente a palavra aos cidadãos”.

Suas palavras reforçam a importância de valorizar a diferença e de permitir sua existência e manifestação. Dessa forma, as práticas de educação digital e midiática precisam ser, necessariamente, democráticas, no sentido de valorizar a diversidade de pontos de vista e, ao mesmo tempo, reconhecer e combater produções discursivas nocivas à democracia e aos direitos conquistados.

Uma publicação de autoria do Instituto Palavra Aberta, intitulada 5 contribuições da educação midiática à democracia, procura esmiuçar essa ideia numa perspectiva prática, oferecendo a educadores propostas de atividades flexíveis para desenvolver competências democráticas em sala de aula. Partimos do pressuposto que o chão da escola é um microcosmo da diversidade social e que estratégias pedagógicas, a partir do uso de mídias, podem contribuir para qualificar a liberdade de expressão dos estudantes, sua participação na sociedade, além de reforçar a importância da pluralidade de pontos de vista para compreender a realidade em sua complexidade. 

E para apoiar práticas pedagógicas significativas, no sentido de evidenciar a relação entre a vida em uma sociedade democrática e eleições, o Palavra Aberta lançou o projeto #FakeToFora, mais uma iniciativa no contexto do programa EducaMídia, com uma série de sete sequências didáticas para educadores da educação básica abordarem o tema, numa perspectiva lúdica e prática.

Ações como essas pretendem deixar claro que o compromisso da educação, no século 21, é formar sujeitos capazes de dialogar, conviver e respeitar as diferenças. As mídias e tecnologias não são, portanto, a finalidade de um processo educativo inovador, mas meios a partir dos quais formaremos cidadãos capazes de aperfeiçoar processos e instituições democráticas.

Foto de Bruno Ferreira

Bruno Ferreira

Assessor pedagógico

Jornalista e professor. Mestre em Ciências da Comunicação e especialista em Educomunicação pela ECA/USP. Possui licenciatura em Educação Profissional de Nível Médio, pelo IFSP. Atuou como professor de Comunicação e Desenvolvimento Social, no Senac-SP, como consultor de alfabetização midiática e informacional da UNESCO e formador de professores de redes públicas de ensino.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade