Carregando...
— Colunas e Artigos

Sucesso da Lei de Acesso à Informação depende de todos nós

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

LAI completa 10 anos neste mês e ainda pode ser entendida e usada por mais pessoas

Imagem de destaque do post

📸: Unsplash

O acesso a informações atualizadas e de qualidade é essencial para o exercício pleno da cidadania. Por isso, iniciativas como a Lei de Acesso à Informação (LAI), que completa dez anos neste mês, precisam ser celebradas e repetidamente anunciadas e explicadas à população. Sancionada em novembro de 2011, a Lei n° 12.527 funciona como uma ponte entre dados de interesse público e o público em si.

Em linhas gerais, a importância da LAI reside no fato de reforçar institucionalmente  a transparência dos governos, impondo ao poder público a obrigação de responder ao pedido de informação com prazo legal (20 dias, que podem ser prorrogados por mais 10). Qualquer cidadão pode solicitar dados, sem apresentar justificativa para tanto, o que antes não era possível — as solicitações eram sumariamente ignoradas, impedindo que conteúdos que impactam diretamente a vida individual e coletiva fossem publicados.

Dessa forma, a LAI reforçou garantias constitucionais de todos os brasileiros e brasileiras, como o direito fundamental de acesso às informações produzidas e/ou armazenadas por órgãos e instâncias municipais, estaduais e federais, que passaram a ter o dever de fornecer esses dados.

Em março deste ano, a plataforma Plataforma Fala.BR, que registra os pedidos de informações enviados a órgãos do executivo federal, atingiu a marca de um milhão de solicitações desde maio de 2012, quando a LAI realmente passou a vigorar no País. A pasta campeã de requerimentos é o Ministério da Economia, que nesse período emitiu 106.094 respostas. Ainda de acordo com os dados do governo, 95,5% das demandas provêm de pessoas físicas.

Mas é por meio do jornalismo que a LAI acaba alcançando um número bem maior de pessoas. Baseados nela, jornalistas buscam dados e informações que contextualizam ou mesmo geram reportagens e sinais de alerta sobre o que está funcionando bem e o que não está na administração pública. Nesta Folha, por exemplo, há diversas reportagens baseadas em denúncias de corrupção na gestão e funcionalismo públicos, além da revelação de documentos da ditadura militar no Brasil, antes considerados secretos.

Destaca-se também a atuação vigilante de entidades de classe, agências de dados e outras organizações, como Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Fiquem Sabendo, Transparência Brasil, Open Knowledge Brazil e Artigo 19, que defendem a legislação e denunciam as frequentes violações a ela, como casos de ameaças a solicitantes, uma vez que a identificação é obrigatória.

É sabido que, ao passo que a LAI é cada vez mais acionada, proliferam-se também situações de descumprimento, em que o poder público se nega a fornecer os dados e ultrapassa os prazos estabelecidos, na tentativa de ludibriar o trabalho da imprensa e, consequentemente, esconder irregularidades da população. 

Portanto, encurtar ainda mais a distância entre a LAI e o cidadão por meio do jornalismo passa por incentivar que a audiência valorize e compreenda o trabalho da imprensa profissional. Também passa pelo acompanhamento da gestão pública em níveis municipal, estadual e federal antes, durante e depois de processos eleitorais. Essas duas frentes não são excludentes; ao contrário: são complementares.

Para que os próximos dez anos de vigência da LAI sejam ainda mais eficientes quanto a solicitação e publicação de dados de interesse social, é necessário que o nexo causal entre o acesso à informação e a garantia de direitos seja cada vez mais evidenciado. Tal nexo é parte de uma consciência cidadã que deve ser incentivada por meio de iniciativas de educação midiática e política, dentro e fora das escolas.

Instrumentos como a LAI são fundamentais para a sustentação da democracia e, por isso, devem ser valorizados e defendidos por quem trabalha diretamente com eles e principalmente por quem é impactado pelas suas revelações ou seja, todos nós. 

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade