Carregando...
— Colunas e Artigos

Paulo Freire sabia que educação sem comunicação não transforma

Foto de Bruno Ferreira
Autor Bruno Ferreira Assessor pedagógico Sobre o autor

A perspectiva dialógica de Paulo Freire inspira práticas de educação digital e midiática no mundo conectado do século 21

Imagem de destaque do post
Imagem: Acervo Instituto Paulo Freire

 

Nos anos 1920, o educador Célestin Freinet introduziu uma impressora em sua prática pedagógica, numa escola precária da aldeia Bar-sur-Loup, no sul da França, onde lecionava para uma turma multisseriada. Essa inovação  transformou o método de Freinet que, ao propor aos estudantes a produção de um jornal, fez com que eles se comunicassem mais entre si e com a comunidade, dando novo sentido e significado à produção de textos, que deixavam de ser apenas um instrumento de avaliação (lidos somente pelo professor) para se tornarem referência midiática para a comunidade.

Na mesma época, mas em outro continente, Paulo Freire vinha ao mundo e se tornaria, décadas depois, uma das principais referências mundiais de educação. Freire assim como seu quase xará Freinet também entendia a comunicação como central nas práticas educativas. Em sua obra Extensão ou Comunicação?, Freire diz que “(…) a comunicação verdadeira não nos parece estar na exclusiva transferência ou transmissão do conhecimento de um sujeito a outro, mas em sua coparticipação no ato de compreender a significação do significado. Esta é uma comunicação que se faz criticamente”.

Ao falar em comunicação, Freire defende, definitivamente, que educação não é transmissão de conhecimento, mas uma construção em comunhão, que envolve participação, perspectiva que reconhece o saber prévio do educando e o valoriza. Assim, Freire propõe o diálogo como método de uma educação comunicativa, capaz de desenvolver autonomia e criticidade. 

Dessa maneira, sua obra passou a fundamentar estudos e inovações práticas que inter-relacionam comunicação e educação, como a educomunicação, campo de intervenção social cujas práticas de uso e apropriação crítica dos meios de comunicação em contextos educativos ibero-americanos foram identificadas e sistematizadas sob a liderança de Ismar de Oliveira Soares, professor e pesquisador da Escola de Comunicações e Artes da USP, no final dos anos 1990.

Assim, o que hoje é defendido como educação midiática a habilidade para acessar, analisar, criar e participar de maneira crítica do ambiente informacional e midiático em todos os seus formatos tem muita convergência com os pensamentos de Paulo Freire. 

Diferentes diretrizes educacionais, tanto as específicas de alfabetização midiática e informacional, como o currículo para a formação de professores da UNESCO, quanto as que contemplam toda a educação básica, como a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), defendem que a escola seja um espaço em que estudantes aprendam a se relacionar com as mídias e com a sociedade de forma crítica, ética e transformadora, valores que permeiam diferentes obras de Paulo Freire.

A educação midiática também encontra respaldo nas ideias de Freire por entender a comunicação como um direito da criança, do adolescente e do jovem, sem o qual não é possível desenvolver habilidades essenciais para viver na sociedade hiperconectada do século 21, cujos recursos midiáticos e digitais convidam todos, diariamente, a produzir conteúdos sobre si mesmos e sobre o seu entorno.

Por isso, a educação midiática incentiva que educadores estimulem seus estudantes a explorar as mídias para ler criticamente o mundo, apropriando-se delas para se expressar e não apenas para sistematizar conhecimentos. A ideia é, portanto, que crianças e jovens sejam capazes de colocar seus conhecimentos a serviço da comunidade, tal como a proposta pedagógica de Freinet no início do século passado.

Nesta segunda década do século 21, em que produzimos e somos expostos a uma grande quantidade de mensagens, a comunicação dialógica parece ser um desafio ainda mais complexo. Isso porque o excesso de informações em circulação, como nos alerta o sociólogo francês Dominique Wolton, não garante mais entendimento e diálogo, mas o seu revés: a incomunicação.

Em tempos de acirramento da intolerância e de grande circulação de discursos de ódio, a perspectiva de educação de Paulo Freire como ato de amor e comunhão segue inspirando iniciativas de educação midiática, convidando professores e estudantes a fazer do ambiente midiático e informacional um espaço de efetiva comunicação.

 

*Bruno Ferreira é assessor pedagógico do EducaMídia, programa de educação midiática do Instituto Palavra Aberta

Foto de Bruno Ferreira

Bruno Ferreira

Assessor pedagógico

Jornalista e professor. Mestre em Ciências da Comunicação e especialista em Educomunicação pela ECA/USP. Possui licenciatura em Educação Profissional de Nível Médio, pelo IFSP. Atuou como professor de Comunicação e Desenvolvimento Social, no Senac-SP, como consultor de alfabetização midiática e informacional da UNESCO e formador de professores de redes públicas de ensino.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade