Carregando...
— Colunas e Artigos

A educação política precisa ser midiática

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Participação plena na sociedade demanda relação responsável com todas as mídias

Imagem de destaque do post

Imagem: Solen Feyissa

“ O prefeito tá on ”, escreveu Edmilson Rodrigues (PSOL – PA) no Twitter ao ser declarado eleito em Belém, capital paraense. Para quem não passa muito tempo nas redes sociais, pode ser difícil entender o meme, que tomou conta das timelines depois que Neymar usou a frase, que significa algo como “tô na área”, antes de um jogo do Paris Saint-Germain na Liga dos Campeões, em agosto deste ano.

Também no Twitter, o perfil do PSDB usufrui frequentemente de conteúdos virais para engajar seus seguidores, simpatizantes e detratores. Nos últimos dias, foram diversos os posts que faziam referência a memes famosos, como “E ainda achavam que a gente tava na pior” e “A gente tá como?”, para comemorar a reeleição de Bruno Covas à prefeitura de São Paulo.

Por mais simples e efêmeros que pareçam, esses conteúdos exigem repertório e contexto para serem compreendidos, o que amplifica a mensagem do político de forma interativa. É claro que não é de hoje que esse tipo de postagem é usada em campanhas políticas, mas talvez seja possível dizer que 2020 concretizou essa prática como uma maneira de envolver principalmente o público jovem nos pleitos.

O candidato derrotado em São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), talvez seja o melhor exemplo. Seus perfis nas redes sociais aproveitaram diversas linguagens que falavam diretamente com essa fatia da população, como charges, desenhos e montagens que colocavam seu rosto em capas de discos e cartazes de filmes. Sua equipe também foi ágil em gravar e divulgar uma versão do próprio Boulos imitando o vídeo viral em que um homem canta a música “Dreams”, da banda Fleetwood Mac, em cima de um skate, tomando suco.

Os exemplos citados mostram que o uso político das mídias digitais vai muito além de disseminar ou combater as chamadas “fake news”, sem desprezar, é claro, o potencial maléfico da desinformação para corroer as instituições e os processos eleitorais aqui e mundo afora. Porém, se o mau uso das redes sociais ameaça a democracia, a verdade é que a educação política não pode mais desconsiderar o ambiente digital– ambos precisam andar juntos.

cidadania para uma sociedade conectada exige que saibamos produzir e consumir conteúdos com responsabilidade, e isso só aumenta em período de eleições, quando a reputação dos candidatos e principalmente o futuro das cidades, estados e País estão em jogo. Isto porque sabemos que, quando se trata do espectro político, nossos posicionamentos ideológicos e vieses de confirmação ficam ainda mais exaltados, fazendo com que a nossa capacidade de leitura crítica das informações recebidas via WhatsApp, por exemplo, fique comprometida. O potencial de manipulação por meio de conteúdos mentirosos e difamatórios é, portanto, muito maior nesse momento do que em outros.

É por isso que iniciativas de educação política que contemplem o universo midiático de forma educativa são tão importantes e merecem ser reforçadas.

Desde 2002, o Poder Legislativo mantém o Plenarinho, um programa criado dentro da Câmara dos Deputados com o objetivo de disseminar conhecimentos acerca das instituições democráticas do País entre crianças de 7 a 14 anos, responsáveis e professores. Com linguagem acessível e divertida, o site do projeto reúne materiais, jogos e outros recursos de interação digital com esse público.

Com a premissa de unir a educação política e a midiática, o Palavra Aberta e a Câmara dos Deputados firmaram um acordo de cooperação que prevê uma série de ações, entre elas o projeto Questione-se, que consiste em uma série de vídeos para o TikTok criados por jovens explicando conceitos eleitorais, o que os aproxima do universo político de modo pedagógico.

É preciso dizer que o próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vem fazendo um ótimo trabalho no combate à desinformação, sem ignorar a importância da formação política dos eleitores brasileiros. De modo contínuo, a instituição abastece suas redes e demais canais com conteúdo didático e inteligível, no esforço de mostrar à população a transparência do processo e de desmistificar boatos sobre a urna eletrônica, por exemplo.

Por isso, à medida que as fronteiras entre o online e o offline estão cada vez mais diluídas, é urgente pensarmos em tratar a cidadania digital simplesmente como cidadania. Ser cidadão é exercer seus direitos e deveres de forma responsável em qualquer âmbito da vida social. Para participarmos de maneira ativa da democracia, é preciso que compreendamos plenamente o nosso papel nela –e esse papel inclui, mais do que nunca, uma relação fortalecedora e autônoma com todas as mídias.

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade