Carregando...
— Colunas e Artigos

Qual a contribuição da escola na luta antirracista?

Foto de Elisa Thobias
Autor Elisa Thobias Assistente de comunicação Sobre o autor

Educação midiática deve ser uma aliada no combate ao discurso de ódio

Imagem de destaque do post

📸: alyssasieb | Nappy

Uma pesquisa divulgada pelo PoderData em 2020 mostrou que 81% dos brasileiros afirmam haver preconceito contra a cor da pele no País. Porém, apenas 3 em cada 10 admitiram ser racistas. Ou seja, a maioria das pessoas admite a intolerância, mas não assume a prática. “Claro que não, tenho amigos negros”; “Como seria racista se empreguei uma pessoa negra?”; “Imagina, eu já namorei uma pessoa negra” e tantas outras frases como estas são afirmações comuns em uma sociedade fundada no racismo estrutural, como é o caso da nossa.

O racismo é algo tão enraizado no cotidiano que pode passar despercebido para quem vive com privilégios, como as pessoas brancas. Compreender a relação entre escravidão e racismo e suas consequências atuais é fundamental para entender o País em que vivemos. E é por isso que este é um assunto imprescindível à sala de aula, em um debate que pode ser feito de forma transversal e interdisciplinar, considerando a produção e o consumo de mídias por crianças e jovens, que vivem num mundo conectado e repleto de imagens, narrativas e discursos de todos os tipos. 

Quando falamos sobre criar e consumir conteúdos midiáticos, nosso olhar deve ser bastante apurado – e isso deve ser incentivado no público infanto-juvenil, que precisa aprender a interrogar o que ouve, lê e vê. Tradicionalmente, qual é o papel destinado a atores negros e atrizes negras na televisão? Que personagens interpretam? Qual foi o último filme a que você assistiu dirigido por um diretor negro? É preciso questionar os produtos informacionais e culturais a que estamos expostos.

Educadores e educadoras precisam incluir essa discussão em seus planos de aula não somente para cumprir a legislação (Lei 10.639/03) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), mas por uma questão de cidadania, democracia e humanidade. Por isso, é importante que esses profissionais se envolvam nesse debate não só como educadores, mas como cidadãos. Professores e professoras que assumirem tais práticas serão vistos como um porto seguro para apoio em casos de opressão de estudantes pretos. É preciso ir além, pois este é um tema que extrapola a sala de aula e permeia toda a vida social dos territórios e comunidades, envolvendo também as famílias.

Algumas escolas particulares têm realizado atividades relevantes nesse sentido. Pais, mães, funcionários e alunos se reúnem periodicamente para tratar temas relacionados às questões raciais. Cobrar a presença de professores negros no quadro de docentes, realizar palestras com pesquisadores que estudam o tema, fomentar programas de bolsas que contemplem alunos pretos e pobres, distribuir conteúdos específicos sobre o assunto e promover o letramento racial são algumas das ações realizadas por esses colégios, fazendo com que o debate seja estendido para as famílias e seus territórios.

Outra iniciativa notável de exaltação à cultura negra envolvendo estudantes será promovida nos próximos dias pela Prefeitura Municipal de São Paulo. Trata-se da II Expo Internacional da Consciência Negra. O evento, visando debater o racismo estrutural, exibirá vídeos de reflexão sobre o assunto produzido por crianças e adolescentes de escolas municipais durante a programação. Além disso, contará com a cobertura da Imprensa Jovem, iniciativa que prepara professores e alunos para a criação de agências de notícias escolares. 

Escolas também podem promover o antirracismo por incentivar a leitura de livros e textos escritos por autores negros e negras. Compreender a sociedade a partir do olhar desses personagens, rompendo assim o círculo vicioso do racismo, é fundamental se quisermos colocar em prática uma educação antirracista.  

Diante desse monstro tão grande que é o racismo, que apaga, agride, violenta e mata corpos e vidas negras, não há mais tempo ou espaço para intimidação – é preciso agir. Djamila Ribeiro, em sua obra Pequeno Manual Antirracista, afirma que reconhecer o racismo é a melhor forma de lutar contra ele. Portanto, segundo ela, é preciso mostrar às crianças e jovens que eles não devem ter medo de usar palavras como “racismo”ou “racista”, assim como exaltar “negro” e “negritude”. As palavras não podem ser consideradas tabus. É preciso estar sempre atento às nossas próprias atitudes e disposto a enxergar privilégios.  

No mês em que comemoramos o Dia da Consciência Negra, lembramos que é por meio da educação, mais uma vez, que conseguiremos mostrar que pessoas negras são tão humanas quanto brancas. Discutir representação e representatividade, bem como a disseminação e o combate aos discursos de ódio, não é mais uma opção. É uma obrigação desta geração mostrar para as próximas que precisamos caminhar para a igualdade racial. A pauta antirracista é uma causa de todos e todas, sem exceção. 

 

Foto de Elisa Thobias

Elisa Thobias

Assistente de comunicação

Educomunicadora, é assistente de comunicação.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade