Carregando...
— Colunas e Artigos

Por que seguir um agressor de mulheres nas redes sociais?

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Precisamos nos conscientizar sobre o poder do nosso engajamento nessas plataformas

Imagem de destaque do post

Imagem: Reprodução/Instagram

Mais de 250 mil seguidores. Essa foi a quantia aproximada de pessoas que passaram a seguir o perfil de um artista após imagens em que ele agredia a esposa viralizarem nos últimos dias. Além dos vídeos chocantes de violência doméstica, o caso gerou indignação nas redes sociais também por conta disso, com postagens que questionavam o que levaria alguém a seguir um agressor de mulheres.

Provavelmente existem diversas respostas para essa pergunta. Mas é preciso lembrar que, ao seguirmos uma página ou um perfil, estamos assumindo que temos interesse pelo conteúdo produzido e postado ali. Queremos ler, ver e ouvir as mensagens e imagens divulgadas por aquela pessoa, empresa ou instituição. Se conhecemos um indivíduo por meio de uma denúncia séria como essa e, mesmo assim, optamos por segui-lo, estamos comunicando a ele e à sociedade que, sim, estamos interessados em um cidadão que espanca a própria companheira. 

Nem a curiosidade gerada pela repercussão do caso, que envolve uma figura pública, deveria ser encarada como justificativa, já que é possível acompanhar o seu andamento pela imprensa, que vem dando bastante espaço para ele e seus consequentes desdobramentos jurídicos.

Entre as inúmeras reflexões possíveis a partir dessa triste ocorrência, podemos destacar duas: o poder do engajamento individual e a consciência do que isso significa na prática. Todos somos, em alguma medida, produtores de conteúdo nas mídias sociais, e é justamente isso que ajudou a quebrar o paradigma da comunicação de décadas anteriores, em que poucos produziam e disseminavam informações para muitos. 

Agora, somos muitos: jornalistas; influenciadores; blogueiros; celebridades; youtubers; tiktokers e simples usuários dessas plataformas, mas que, dentro de nossas bolhas, exercemos uma microinfluência. Ou seja, podemos impactar as escolhas alheias, que vão desde a compra de um produto até a decisão de se imunizar contra a Covid-19.

Nossos gostos e preferências são transformados em cliques que, por sua vez, podem gerar dinheiro, status e visibilidade para determinados indivíduos, marcas e organizações. Não é à toa que todo mundo conhece alguém que vive pedindo para os amigos seguirem, curtirem e comentarem as postagens do seu pequeno negócio.

Cada curtida, comentário e compartilhamento, portanto, são importantes na construção dos nossos rastro e identidade digitais. O problema é que esses comportamentos estão tão automatizados que nos esquecemos disso. Conscientizarmo-nos do nosso papel nesse sistema passa por aquilo que se chama de silêncio estratégico, uma estratégia que consiste em não reverberarmos discursos de ódio e conspiratórios nas redes, evitando que eles pautem conversas e debates. 

Muito se fala em saúde mental e redes sociais, mas o que cada um de nós realmente faz para nos preservarmos em meio a esse contexto de infodemia que a combinação entre mundo conectado e pandemia nos trouxe? O que fazemos por redes menos tóxicas e até mesmo menos mórbidas? Em vez de seguir um homem violento, mesmo que por curiosidade, por que não dar seu engajamento para perfis que debatam a violência de gênero e o feminicídio de maneira séria, por exemplo?

Não se trata de não cobrar providências das empresas de tecnologia para que revejam algumas regras e termos de violação das plataformas, mas de qualificarmos nosso uso e nossas redes. Nesse sentido, houve um movimento importante nas mídias sociais sobre esse mesmo caso: diversos internautas fizeram postagens mostrando como “domesticar” o algoritmo de aplicativos de música para que eles não toquem a música do agressor, indo na contramão daqueles que seguiram o cantor. Ou seja: optaram por não endossar a fama e o status dele.

Guardadas as devidas proporções e respeitados os contextos específicos, afirmar que nada podemos fazer em situações assim seria como, deliberadamente, jogar lixo no chão e desperdiçar água e luz, uma vez que a responsabilidade maior pelas questões climáticas compete, por exemplo, ao agronegócio e ao setor industrial. É óbvio que as responsabilidades são diferentes e devem ser pesadas de acordo com o papel que cada ator desempenha, mas sempre há algo que possa ser feito tanto para evitar o impacto do aquecimento global quanto para mitigar a desinformação e construir um ambiente digital mais saudável. 

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade