Carregando...
— Colunas e Artigos

Pandemia expõe despreparo de influenciadores

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Uma festa promovida pela influenciadora Gabriela Pugliesi movimentou o último fim de semana de abril nas redes sociais, provocando a ira de grande parte do público que a acompanha e...

Imagem de destaque do post

Uma festa promovida pela influenciadora Gabriela Pugliesi movimentou o último fim de semana de abril nas redes sociais, provocando a ira de grande parte do público que a acompanha e também daqueles que mal sabiam de quem se tratava.

Em uma atitude que contraria totalmente a quarentena, a blogueira de mais de 4 milhões de seguidores recebeu outras influenciadoras em sua casa e postou fotos e vídeos do encontro no Instagram – em uma das postagens, dizia “Foda-se a vida”. Naquele domingo, o Brasil já registrava mais de 4 mil mortos por Covid-19.

A repercussão negativa foi tão grande que diversas empresas que patrocinavam Pugliesi afirmaram que romperam contrato, usando as redes para defender as orientações das autoridades de saúde e afirmar que não concordam com esse tipo de conduta – posicionamento este foi exigido por milhares de internautas revoltados que foram aos perfis das marcas exigir uma atitude.

Essa não é a primeira vez que Pugliesi, que se tornou celebridade por exibir um estilo de vida fitness, ganha manchetes e vira um dos assuntos mais comentados nas redes.

Entre outras polêmicas, seu nome já esteve envolvido em disputa com o Conselho Regional de Educação Física do Rio de Janeiro e do Espírito Santo (Cref1) por exercício ilegal da profissão de educador físico. Ela também foi criticada por, após contrair o novo coronavírus, publicar um texto em que “agradecia” à doença por fazê-la repensar atitudes, o que foi visto por seus seguidores como falta de empatia com quem está sofrendo com os diversos impactos sociais trazidos pela Covid-19.

O papel dos influenciadores digitais, essas pessoas com muitos seguidores nas plataformas digitais e, portanto, com capacidade de influenciar opiniões e comportamentos, especialmente no que tange ao consumo, vem sendo extensamente debatido nos últimos anos. No entanto, ninguém previu que uma pandemia poderia acelerar certos processos já em curso e impor novos cenários.

Se não podemos sair de casa, como ficam os posts de look do dia, com roupas das últimas coleções enviadas por lojas, e as fotos de viagens para lugares paradisíacos patrocinadas por agências? Com empresas cortando verba de marketing, quem vai pagar por campanhas e posts de “recebidos do dia”, onde são exibidos os presentes enviados pelas marcas? Com milhões de pessoas sem emprego e dependendo de auxílio emergencial, quem vai comprar os produtos promovidos por esses influenciadores?

Em um contexto crítico de revisão de relações de consumo e ressignificação de relações sociais, como vender um estilo de vida que não existe mais –ou, em poucas palavras: o que vai ser da “cultura influencer”?

Diversos veículos estrangeiros, como Vanity Fair, Forbes, Wired e o jornal The New York Times vêm publicando reflexões para tentar responder essas e outras perguntas e apontar tendências para esse mercado que movimenta milhões anualmente especialmente entre o público jovem – no Brasil, um levantamento de 2019 do Ibope Inteligência mostrou que 52% dos internautas seguem algum digital influencer, sendo que na faixa etária entre 16 e 24 anos essa porcentagem salta para 75%.

É óbvio dizer que influenciadores têm grande responsabilidade sobre os conteúdos que postam, curtem e compartilham, e é muito positivo que a audiência perceba incongruências entre discursos e atitudes, mas a pandemia de Covid-19 parece apontar para uma intolerância à superficialidade e à glamourização promovida por muitas dessas celebridades virtuais, justamente quando estamos mais online do que nunca.

O crescimento da audiência de influenciadores dedicados à divulgação científica e causas sociais pode ser um aspecto desse movimento.

Tudo isso pode trazer mudanças profundas e perenes no tipo de conteúdo que é produzido e consumido nas redes. A consultoria YouPix, dedicada a discutir a cultura digital, indica que haverá uma redefinição do que significa influência digital, reforçando a responsabilidade e o papel social dos influenciadores e a necessidade do meio empresarial repensar valores e investir em reputação.

A concretização dessas tendências precisa vir acompanhada de ações de educação midiática que reforcem nas crianças e jovens o consumo responsável e crítico de conteúdos online e offline com os quais eles se identifiquem e que combinem com seus valores. Saber ler criticamente e participar de forma ativa do mundo conectado em que vivemos é uma demanda urgente.

Isso tudo passa pela orientação dos pais e, claro, da escola, e não só por exigência da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), mas pelo fato de que a construção da ideia de cidadania não pode mais desprezar o digital. Uma geração educada midiaticamente será capaz de construir redes mais empáticas, éticas e saudáveis para lidar com desafios imprevisíveis – como é o caso de uma pandemia.

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia