Carregando...
— Colunas e Artigos

O desafio de ensinar o pensamento crítico

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

No meio de tantas informações, treinar a análise crítica virou necessidade básica

Imagem de destaque do post

Imagem: Element5digital

Em sua última participação em evento voltado para o público brasileiro, organizado por um banco de investimentos, o historiador Yuval Harari ressaltou, como um dos pontos mais importantes da atualidade e para o mundo pós-pandemia, a necessidade de focarmos no desenvolvimento de habilidades de análise crítica das informações em vez de buscarmos mais conteúdo. 

Segundo Harari, vivemos numa época em que a escola não precisa oferecer mais informações para os alunos: eles já “estão inundados” delas, podem acessá-las facilmente de qualquer lugar, mas ainda não conseguem distinguir o que é confiável do que não é; o que tem qualidade do que não tem. Na sua visão, o que as pessoas em geral realmente precisam, é desenvolver uma mente crítica capaz de diferenciar conteúdos e, com isso, saber em quem e no que confiar. Para ele, a escola tem um papel fundamental nesse processo. 

Não é novidade que a abundância informacional tem gerado desafios para toda a sociedade. Se por um lado a facilidade de acesso e compartilhamento de informação trouxe grandes benefícios, por outro tem causado diversos problemas. E, nas disputas ideológicas entre negacionistas e teóricos de conspiração, está cada vez mais difícil saber em quem e no que acreditar. 

Identificar o contexto, a autoria e a autoridade de quem produz determinadas mensagens é cada vez mais complexo, e a pandemia tornou essa dificuldade ainda mais evidente e perigosa. De uma hora para outra, todos viraram cientistas, com narrativas cheias de opinião e carregadas de achismo. Pessoas que nunca se interessaram em saber a origem das vacinas começaram a opinar como fossem experts em imunização. Passaram a questionar a técnica utilizada e a velocidade com que o imunizante foi produzido, espalhando por aí a possibilidade da implantação de um chip de monitoramento na aplicação de uma dose, entre tantas outras falácias que circulam e geram ainda mais instabilidade e insegurança em um momento trágico.

É interessante perceber como passamos a acreditar em qualquer um sem questionarmos: qual o conhecimento que o tio do cunhado da minha irmã tem para opinar sobre dados científicos sem ser estudioso do tema? E por que passamos a crer na informação que chega pelos grupos de WhatsApp em detrimento daquelas divulgadas por  instituições sérias e conceituadas? 

Somado a isso, há ainda o que Harari chamou de vantagem competitiva das “fake news” sobre verdades científicas: “A verdade é sempre complicada e dolorida. As pessoas não querem saber a verdade”. E mais: preferem acreditar na cura milagrosa ou mesmo negar a realidade dos fatos. 

Neste contexto, desenvolver o pensamento crítico é, não só necessário, como urgente. É preciso ensinar desde cedo técnicas de leitura crítica e análise de mensagens e discursos para que as crianças e jovens cresçam com autonomia para interpretarem e participarem do mundo conectado, cujas tecnologias são desenvolvidas em uma velocidade muito maior do que a nossa capacidade de compreendê-las.

É imprescindível que a escola incentive a criticidade como uma habilidade inerente aos tempos em que vivemos. Saber julgar uma informação de maneira consciente e responsável é buscar outros pontos de vista sobre ela, praticando o que é chamado de “ceticismo saudável”. A grande questão não é desconfiar de tudo e todos, mas sim perceber que é preciso interrogar as mensagens que chegam aos nossos celulares e computadores o tempo inteiro. 

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) traz, entre as dez competências gerais  a serem desenvolvidas pelos alunos ao fim da educação básica, o pensamento científico, crítico e criativo. Para que se torne realidade, os professores precisam estar preparados para desenvolver nos alunos essa habilidade, de modo a dialogar com a realidade digital em que todos estamos inseridos. Se as crianças e jovens realmente aprenderem a “investigar causas, testar hipóteses, resolver problemas e criar soluções”, como demanda a BNCC, certamente teremos uma geração mais crítica e cidadã, capaz de compreender o direito à informação em sua plenitude e de defender a democracia.

 

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade