Carregando...
— Colunas e Artigos

Nem tudo é belo no mundo dos filtros

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Redes sociais reforçam padrões impossíveis de beleza

Imagem de destaque do post

Imagem: Callie Morgan | Unsplash

Em uma decisão polêmica, a Advertising Standards Authority, entidade que regula a publicidade no Reino Unido, proibiu na última quarta (3) que influenciadores digitais, personalidades e marcas usem filtros em postagens publicitárias no Instagram. O objetivo da entidade é que os recursos ofertados na plataforma não falseiem os efeitos e potenciais dos produtos, especialmente no caso dos cosméticos.

A discussão não é nova: não é de hoje que se debate o impacto negativo que os filtros têm sobre a nossa autoimagem. A banalização da ferramenta é tão grande que a chance de você se deparar com uma foto não manipulada no seu feed ou stories ao abrir o aplicativo hoje é mínima. Praticamente ninguém publica uma selfie ou paisagem sem alterar minimamente cores, saturação, contraste, brilho e afins.

Nos tornamos produtores e editores do nosso cotidiano e da nossa imagem nas redes sem nos darmos conta, e o impacto disso pode ser perverso. É como se cada usuário tivesse a capacidade de um designer que cria capas de revistas, eliminando e corrigindo o que se entende por “imperfeições” físicas, aumentando e diminuindo proporções e apagando manchas na pele. Com o uso frequente desses filtros, é quase possível criar uma espécie de nova persona nas redes, divulgando nelas a nossa versão “melhorada”.

Essa pressão pela imagem perfeita gera expectativas falsas e atinge em especial as mulheres, como não poderia deixar de ser. 

Em janeiro, a morte de uma influencer de 26 anos durante uma lipoaspiração no Ceará (CE) comoveu a internet e recolocou esse tema em pauta. A fatalidade gerou uma forte movimentação no mundo das influenciadoras, levando algumas delas a gravarem depoimentos sobre como se sentem motivadas a aderir a esses procedimentos para sustentarem suas imagens. 

Foi o caso da maranhense Thaynara OG, 28 anos e mais de 4 milhões de seguidores somente no  Instagram. Em um vídeo publicado em seus canais, ela narra como se sentiu influenciada a fazer uma Lipo HD, novo tipo de cirurgia que se disseminou rapidamente entre celebridades e, consequentemente, nas mídias sociais. Thaynara teve complicações e passou dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) até se recuperar.

O poder dessas personalidades digitais em publicizar esses procedimentos como produtos é enorme. Dados do Google mostram que o interesse pelo termo “Lipo HD” cresceu 350% em apenas quatro meses no ano passado, enquanto o Instagram registra cerca de 100 mil postagens identificadas com a hashtag #lipohd. 

Também não é nenhuma novidade que o Brasil é o país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo: mais de 1,498 milhão somente em 2018, segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) divulgados em 2019. Mesmo não existindo dados que mostrem a correlação entre redes sociais e procedimentos estéticos, essa reflexão precisa ser feita. Principalmente quando pensamos no público adolelescente que consome avidamente o conteúdo dessas influenciadoras, sem notar que grande parte dele está repleto de filtros e anúncios de produtos e cosméticos “milagrosos”. 

Uma parte da solução para isso está nas próprias mídias digitais. No lugar de simplesmente demonizá-las, é preciso focar no uso fortalecedor delas, inclusive para a construção da autoestima da audiência jovem. Uma das diferenças entre os tempos offline e os dias atuais é justamente a infinidade de fontes e discursos a que estamos expostos, e obviamente nem tudo é negativo. Ao contrário: nunca se teve tanto contato com discussões relevantes acerca dos estereótipos femininos.

Não é preciso procurar muito para se deparar com perfis e páginas que reforçam a diversidade de corpos humanos, debatendo saúde física e mental, gordofobia, deficiências e doenças de pele, entre outras questões, desmistificando padrões, incentivando a aceitação e o desenvolvimento de uma autoimagem sólida e positiva, sem deixar de refletir sobre os riscos das cirurgias estéticas. 

Para que os jovens tenham ainda mais contato com esse universo, é fundamental que as famílias e os educadores se envolvam nesse processo, conscientizando-se, para depois conscientizá-los sobre os problemas e as potências das redes no que tange à autoestima. 

Quem sabe assim o incentivo à leitura reflexiva de imagens e o questionamento crítico sobre peças publicitárias e o papel dos influenciadores se tornem atitudes tão automatizadas como curtir, comentar e compartilhar fotos, memes e vídeos.

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade