Carregando...
— Colunas e Artigos

Exibam os filmes e derrubem as estátuas

Foto de Alexandre Sayad
Autor Alexandre Sayad Jornalista e educador Sobre o autor

O racismo sempre diz respeito à educação, quer essa conexão esteja explicita nas mídias, ou não.

Imagem de destaque do post

Imagem: Chris Henry/Unsplash

Vidas negras importam. Em uma pizzaria do Brooklin, na Nova York dos anos de 1980, uma parede coberta de retratos de personalidades brancas ítalo-americanas, como Frank Sinatra, é o orgulho de seu dono, também branco. A simbologia é mais que suficiente para que um cliente negro o afronte e exija a presença de seus “manos” naquela parede; afinal, trata-se da sua comunidade também. “Tenha sua própria pizzaria e pendure o que quiser”, esbraveja o dono.

Esse é o estopim para um conflito social-racial dirigido por Spike Lee em “Faça a Coisa Certa” (“Do The Right Thing”), de 1989. O contexto e o ponto de virada do roteiro não poderiam ser mais atuais. A filme revela algumas camadas de compreensão: o retrato do cenário social da época, a semiótica provocativa de uma parede “ariana” a ser contemplada por negros em seu cotidiano, além da própria representatividade negra na tela de cinema, como um elemento crítico.

Vidas negras importam. No que tange a cultura, o movimento atual, que teve seu estopim no assassinato de George Floyd por um policial branco de Minneapolis (EUA), tem derrubado estátuas de apologia escravocrata. E também retirado de circulação obras consideradas racistas, como “E o Vento Levou” (“Gone With The Wind”, de 1939, dirigido por Victor Fleming, George Cukor e Sam Wood). O debate sobre esse diapasão pela comunidade escolar é uma obrigação, e uma oportunidade, para uma educação que pretenda transformar. O racismo sempre diz respeito à educação, quer essa conexão esteja explicita nas mídias, ou não.

Em momentos como esse, a educação formal, de vocação conservadora, deve promover o rompimento. Práticas assim diferenciam as escolas. Estranho o silêncio precoce das vozes que questionavam a falta de alunos negros nas carteiras escolares particulares do Brasil, quando até o universo corporativo mais conservador leva hoje a importância de diversidade aos mais importantes fóruns e políticas. “Com quantos negros meu filho convive na escola, que não os funcionários?” é uma pergunta incômoda, estruturante, e educativa.

Há uma outra questão, que toca no propósito de construção do pensamento crítico: o quanto as escolas preparam os estudantes para assistirem a filmes como “E o Vento Levou” de maneira crítica? A educação midiática, mais precisamente a voltada para as imagens, como Bernardo Toro insistiu em “Códigos da Modernidade”, se faz indispensável. Crianças e jovens estão cada vez mais mergulhados no audiovisual, em experiências imediatistas da internet; compreender a semântica das imagens é fundamental para a leitura do mundo.

Filmes têm potencial para serem analisados como reflexo de um tempo; podem vir acompanhados de material complementar (inclusive textos) que aprofundem o debate cultural e justamente se tornem armas poderosas contra o racismo. Vivemos a mesma questão na tentativa de proibição de Monteiro Lobato. A visão abolicionista de Joaquim Nabuco, que via a escravidão se transformar numa herança cultural subliminar no futuro, é uma ótimo exemplo de intertextualidade. “Faça a Coisa Certa” , por exemplo, pode apresentar aos estudantes uma Nova York que mudou pouco em 30 anos e que tem suas raízes estruturais em “E o Vento Levou”.

Experiências do movimento “cineclubista”, em que alunos e professores exibem filmes seguidos de debate, são exemplos de leituras do cinema em sua complexidade. O cineclube da Escola Viva, em São Paulo, num ato corajoso, desfibrou justamente “E o Vento Levou”, elevando o debate entre ética e estética às últimas consequências. O quanto do filme é mero retrato da época, o quanto é o olhar racista de diretores brancos? Eis uma ótima questão.

Filmes não são estátuas. A estatuária, apesar de arte, representa em muitos casos a edificação ou homenagem feita em espaços públicos. Na queda do Muro de Berlim, elas tombaram simultaneamente, em uma catarse iconoclasta coletiva. Por outro lado, são cicatrizes que nos ajudam a revisitar o passado. Do alto de meu privilégio branco, destruí-las me parece mais compreensível do que abolir a exibição de filmes, prática comum em países que não têm apreço ao debate.

Em outras palavras, o cliente tinha razão: a parede branca da pizzaria de Spike Lee devia mesmo ser derrubada. O filme, como outros, apenas estudado. Já a escola, deve abraçar a diversidade em seu cotidiano, ou o racismo vai continuar sendo apenas tema de aula de cinquenta minutos. Vidas negras importam.

Foto de Alexandre Sayad

Alexandre Sayad

Jornalista e educador

Alexandre Le Voci Sayad é jornalista e educador, diretor da consultoria ZeitGeist e membro diretivo da aliança GAPMIL (de educação para a mídia da UNESCO), além de membro do conselho consultivo do projeto Educamídia (do Instituto Palavra aberta e google.org ) .Trabalha há vinte anos com temas de educação para a mídia e inovação. Cursou especialização em negócios pela Universidade da Califórnia / Berkeley e é fundador de três ONGS e duas empresas na área. É autor de livros na área, dentre eles "Idade Mídia - A Comunicação Reinventada na Escola" (Editora Aleph). Mais informações:   alexandresayad.com

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade