Carregando...
— Notícias

EducaMídia discute representação e preconceito nas redes sociais

Foto de João Costa
Autor João Costa Jornalista Sobre o autor

Ainda são inúmeros os casos de racismo dentro e fora das redes, infelizmente. Mas a repercussão que esses crimes tem tido tem movimentado essas plataformas e gerado discussões...

Imagem de destaque do post

Ainda são inúmeros os casos de racismo dentro e fora das redes, infelizmente. Mas a repercussão que esses crimes tem tido tem movimentado essas plataformas e gerado discussões fundamentais. Foi pensando nisso que o EducaMídia trouxe para o âmbito da educação midiática o tema da representação e do preconceito.

Para falar sobre essas questões, as coordenadoras do programa, Mariana Ochs e Daniela Machado, conduziram a live semanal do EducaMídia trazendo exemplos e dicas para educadores tratarem desses temas em sala de aula.  A live foi ao ar na última quinta-feira, dia 08/04, no Facebook e  Youtube.

Preconceito
Mariana Ochs enfatizou que o racismo e o preconceito são construções sociais. Sendo assim, com muita frequência eles se propagam por meio de mensagens e discursos nas mídias, como no caso das construções estereotipadas em anúncios, jogos, reportagens e em posts.

“A falta de diversidade de pessoas e de pontos de vista contribui para a perpetuação de atitudes preconceituosas e, infelizmente, do racismo, da xenofobia e da exclusão de determinados grupos na sociedade”, afirmou ela.

Segundo Mariana, o combate a tudo isso passa indiscutivelmente pela educação midiática, por meio da produção de conteúdo e novas narrativas e de estratégias de leitura reflexiva.

Já Daniela Machado lembrou que é preciso um olhar amplo sobre tudo o que consumimos. “Identificar estereótipos passa por observar inclusive as embalagens dos produtos que compramos e usamos, por exemplo”, lembrou.

Representação
Mariana Ochs ressaltou a diversidade da sociedade brasileira, afirmando que as pessoas precisam ser representadas nas mídias que consomem.

“As pessoas precisam prestar a atenção em quais são os atores sociais que são retratados em posições de poder e de sucesso profissional nas historias contadas em filmes e novelas. Existe uma expressiva ausência de mulheres negras em posições de prestígio o que, a rigor, demonstra preconceito racial”, complementou.

Ela acrescentou ainda que só haverá diversidade nas produções midiáticas quando os grupos que criam tais conteúdos também forem diversos, o que inclui processos de contratações de funcionários em editoras de conteúdo e agências de publicidade que olhem para essa questão urgente.

“Existem estudos que mostram que meninas com idade entre 5 e 6 anos não costumam se ver em situações de prestígio e poder, o que acaba moldando seus sonhos e projetos conforme crescem”, concluiu.

Representatividade importa, e muito.

Recursos
Acesse os recursos do EducaMídia citados na live:

Artigo sobre sinofobia.

Guia da Educação Midiática gratuitamente.

Para assistir ao vídeo da live com Mariana Ochs e Daniela Machado na íntegra, clique aqui.

Foto de João Costa

João Costa

Jornalista

Jornalista, desenvolve um trabalho com o propósito humanitário por meio da: "Filosofia da Evolução das Relações Humanas”.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade