Carregando...
— Colunas e Artigos

Educação midiática vai além da educação digital e tecnológica

Foto de Mariana Ochs
Autor Mariana Ochs Coordenadora EducaMídia Sobre o autor

É preciso diferenciar e compreender os conceitos para formarmos cidadãos no mundo conectado

Imagem de destaque do post

Imagem: WOCInTech/Unsplash

O excesso de informação em nossa sociedade hiperconectada é, ao mesmo tempo, uma oportunidade e um desafio. Uma oportunidade, pois amplia as possibilidades de aprendizado autônomo e de acesso a informações que nos permitem tomar decisões e exercer nossos direitos em uma sociedade democrática; e um desafio, pois a multiplicidade de autores e intenções exige atenção redobrada para a natureza e a confiabilidade das mensagens.

É por essa razão que ações de educação midiática, e não só de educação tecnológica e digital, são urgentes. A educação midiática engloba o arsenal de estratégias que precisamos ter para lidar de forma reflexiva e responsável com a abundância de informação no mundo atual. Desenvolve, essencialmente, as habilidades para a leitura crítica das informações e para a participação responsável na sociedade por meio das mídias – ou seja, propõe um olhar mais reflexivo e consciente para o que fazemos diariamente ao consumir informação ou entretenimento, comunicar-nos uns com os outros e participar do diálogo da sociedade utilizando mídias. 

O uso fortalecedor e bem direcionado das novas tecnologias, que vai além do simples manuseio de equipamentos e plataformas, é igualmente importante e está diretamente relacionado ao universo da educação midiática. Mas é preciso aprofundar essa intersecção.

O melhor exemplo para isso está na educação básica. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) reconhece que a escola precisa preparar o jovem para a cultura digital – uma sociedade em que a tecnologia cada vez mais media as nossas relações sociais, de aprendizado, de trabalho e de consumo. Mas, para isso, precisamos entender a presença e o papel da tecnologia na educação sob duas formas distintas.

Ao explorarmos a tecnologia como ferramenta, tratamos do saber operacional para utilizar computadores, dispositivos, aplicativos e ambientes que apoiam o aprendizado, desenvolvendo a fluência digital que é essencial, inclusive, para participar do mundo do trabalho. Utilizar a tecnologia como ferramenta criativa é também a possibilidade de ampliar o aprendizado por meio da colaboração e da resolução de problemas, por exemplo, pela robótica, programação ou design. 

No entanto, a tecnologia é também linguagem, permitindo a comunicação e a convivência social através das mídias, esse território onde nos encontramos, conversamos, debatemos, investigamos, aprendemos, trabalhamos, publicamos e participamos. Nesse sentido, a educação midiática torna-se essencial para lidar criticamente com a cultura digital e suas implicações para a sociedade.  

A fluência digital, ou seja, o domínio das ferramentas e práticas, é cada vez mais necessária para a inclusão no universo do aprendizado e no mercado de trabalho. Ser educado midiaticamente, por outro lado, é fator de equidade no acesso à informação com confiança, na possibilidade de construção de conhecimento e na participação efetiva na sociedade. É nesse sentido que afirmamos que a educação midiática é um direito dos jovens – e de qualquer cidadão. 

A mediação de educadores para o desenvolvimento dessas habilidades torna-se mais urgente à medida que percebemos que os jovens da chamada “geração C” – habituada a estar em sociedade criando, compartilhando, colaborando e se comunicando no mundo digital – possuem habilidade no manejo dos ambientes e ferramentas, mas não necessariamente o senso crítico para discernir se o que estão consumindo e disseminando nesse ambiente é confiável, inclusivo ou respeitoso. Embora tenham cada vez mais possibilidades de aprender de forma autônoma, é urgente garantirmos que isso seja feito de forma segura e realmente proveitosa.  

Na prática, isso requer a própria transformação das práticas pedagógicas, buscando integrar a decodificação de mídias, a leitura reflexiva e a criação de narrativas em todas as disciplinas curriculares, orientando de forma muito intencional o processo de descoberta e produção de conteúdo, e exige um olhar tanto para os objetivos curriculares como para os objetivos midiáticos a serem alcançados. Quanto mais educadores, profissionais da educação, famílias, autoridades e tomadores de decisão se conscientizarem disso, mais rápido poderemos agir para que a cidadania seja um valor concreto na era da informação.

Foto de Mariana Ochs

Mariana Ochs

Coordenadora EducaMídia

Designer e educadora, é corresponsável pelo conteúdo do EducaMídia. É Google Innovator e Trainer, atuando na transformação digital de escolas.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade