Carregando...
— Colunas e Artigos

Educação e imprensa serão temas cruciais em 2023

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

Expectativas positivas para as duas áreas precisam se confirmar com ações práticas e contundentes dos agentes públicos

Imagem de destaque do post

📸: freepik

A virada do ano é sempre um momento oportuno para fazermos um balanço de nossas conquistas e frustrações. Mas é também tempo de traçar estratégias para que novas e importantes metas sejam alcançadas. Para o Instituto Palavra Aberta, que tem como missão defender a liberdade de expressão, educação e imprensa são dois temas que precisam ser acompanhados com muita atenção em 2023.

Ao longo deste ano, vivemos momentos de tensão e afloramento do ambiente hostil em relação ao trabalho de jornalistas e comunicadores em geral, além de inúmeros desafios relacionados ao entendimento do que é liberdade de expressão. Aliás, o próprio conceito desse direito fundamental foi apropriado indevidamente e utilizado para a prática de atos criminosos e como ferramenta para a disseminação de discurso de ódio, intolerância e desinformação. Esta última, amplamente usada como estratégia política por muitos candidatos tanto no período eleitoral como nas semanas seguintes. 

Na educação, ainda sob o efeito negativo causado pela pandemia de Covid, houve alguns avanços, mas ainda bem longe do ideal, principalmente pelo distanciamento entre a prática atual e a falta de conexão com temas relevantes da atualidade  — como o olhar crítico para o consumo e a produção de mídias.

Olhando para trás, 2022 foi um ano de muitos ensinamentos e de descobertas. Vimos crescer o questionamento às instituições e as narrativas falaciosas em relação à lisura do processo eleitoral. Vimos a proliferação de teorias conspiratórias e o questionamento ao papel dos poderes constituídos. Mas vimos também crescer a resiliência e a crença na democracia, assim como o interesse por áreas importantes do conhecimento como o desenvolvimento científico e a análise crítica da informação.

Se considerarmos o ambiente um pouco menos turbulento na área política e, por consequência, para o jornalismo, a expectativa é que 2023 seja um ano de reconstrução das relações e da confiança nas instituições. Mais ainda, com o início do novo governo, abre-se a possibilidade da criação de um novo ciclo, que aproveite as oportunidades geradas para implantar políticas públicas que impactem positivamente a vida dos cidadãos brasileiros. 

Assim, educação de qualidade e imprensa forte podem contribuir para o desenvolvimento do país. As duas áreas estão interligadas e, com seu fortalecimento, tendem a reforçar também a democracia. Isso porque uma educação que leve em conta as responsabilidades de cada um ao lidar com a informação ajuda no entendimento do papel da imprensa — e até na cobrança para que esse trabalho seja sempre aprimorado. 

É o caso da adoção da educação midiática de forma transversal nas escolas para que os jovens possam acessar, analisar, criar e participar do ambiente informacional com responsabilidade e senso crítico. É preciso explorar o fato de que, embora a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) abrigue parte de sua aprendizagem em Língua Portuguesa (no campo de atuação jornalístico-midiático), a educação midiática pode ser entendida como uma camada transdisciplinar que torna a aprendizagem mais significativa para o aluno. 

Para pavimentar esse caminho de forma mais acelerada, é preciso vontade política e disposição de efetivar parcerias entre governos, com organizações do terceiro setor e com a iniciativa privada. Portanto, é hora de encarar a educação midiática e o fortalecimento da imprensa responsável como pilares fundamentais de uma sociedade mais justa e democrática. Sem acesso a informações confiáveis e sem o senso crítico para interpretá-las corremos o risco de perpetuar o cenário de desinformação e discurso de ódio que já cansamos de ver nos últimos anos.

Aproveito esta última coluna do ano para desejar boas festas e um excelente 2023. Estaremos de volta no dia 12 de janeiro. 

 

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade