Carregando...
— Colunas e Artigos

Como combater o cyberbullying na escola?

Foto de Elisa Thobias
Autor Elisa Thobias Assistente de comunicação Sobre o autor

Redes sociais potencializam casos e diversificam formas de agredir amigos e colegas

Imagem de destaque do post

📸: rawpixel/freepik

Aproximadamente um em cada dez adolescentes (13,2%) já se sentiu humilhado, ameaçado ou ofendido em redes sociais ou aplicativos. No caso das meninas, esse número é maior: 16,2%. Os dados são do IBGE e fazem um alerta para um problema que vem afetando crianças e jovens em todo o mundo: o cyberbullying. E é na escola, local onde esse público passa a maior parte do dia, que ações podem ser realizadas para prevenir e minimizar os riscos dessa prática que machuca e traz muito sofrimento. 

Longe de ser uma novidade, o bullying é uma palavra de origem inglesa. “Bully” quer dizer “valentão” e o sufixo “ing” representa uma ação contínua. É chamada assim, portanto, toda a prática sistemática de violência física e psicológica contra uma pessoa que não é aceita por um grupo. Quando as agressões ocorrem no ambiente virtual, é adicionado o prefixo “cyber”, sendo chamados de “cyberbullying” os atos que acontecem por meio de mensagens intimidadoras, ameaças e situações constrangedoras nas redes sociais. 

Os efeitos do cyberbullying nas crianças e jovens é devastador. Os resultados podem ser duradouros e ter diversos impactos. Mentalmente, a vítima pode se sentir constrangida, diminuir seu rendimento escolar e perder o interesse pelas coisas que ama. Até sintomas físicos são relatados, como dor de cabeça, dores de barriga e insônia. Em casos extremos, o cyberbullying pode levar ao suicídio. Por isso, ações de prevenção são tão importantes para garantir espaços virtuais saudáveis e fortalecer a confiança desses estudantes. 

Por isso, é essencial que o assunto esteja presente no projeto político pedagógico das escolas. Para que isso seja possível, as equipes precisam ser formadas e estarem preparadas, contando com materiais de apoio para a realização de atividades de reflexão, rodas de conversas e palestras. O diálogo deve ser o caminho para que os alunos se sintam confortáveis para dizer o que estão sentindo, conversem com seus pares sobre o assunto e se sintam seguros para denunciar situações de opressão, com a consciência de que uma ofensa nas mídias sociais não é menos grave do que uma ofensa ao vivo.

A exibição de filmes e séries que abordam o tema pode ser uma boa estratégia de sensibilização, gerando discussões na sala de aula, melhorando o comprometimento dos alunos sobre o coletivo e trabalhando o olhar sobre o outro. O filme “Cyberbully”(2011), por exemplo, narra o cotidiano de uma garota que ganha um computador e sofre cyberbullying após ter sua conta nas redes sociais invadida. A produção ainda aponta possíveis soluções para pais, professores e políticos. 

Outra opção é a série “Control Z” (2020). Em sua primeira temporada, ela gira em torno da história de um hacker que consegue acessar dados de alunos de uma escola e passa a vazá-los, causando constrangimento e desconforto. 

Ainda vale citar o documentário Audrey & Daisy (2016), voltado para a faixa etária do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A obra conta a história de duas garotas que sofreram violência e tiveram suas fotos divulgadas nas redes sociais. 

 A Safernet, ONG que defende os direitos humanos na internet, disponibiliza materiais gratuitos para identificar e combater o cyberbullying. Na cartilha “Cyberbullying: saiba como identificar e agir”, o educador encontra dicas práticas para combater a modalidade virtual do bullying. Além disso, o site oferece vídeos, artigos e infográficos que ajudam o educador a lidar com o tema. 

Materiais ilustrados podem ser de grande ajuda para tratar de temas difíceis. Pensando nisso, a Nethisc Edu criou uma apostila ilustrada de combate ao bullying e cyberbullying, cujo o download pode ser realizado gratuitamente. A cartilha de combate ao bullying da Defensoria Pública do Rio Grande do Sul também é um material sem custos que pode ser trabalhado com alunos do Ensino Fundamental e Médio. 

Este é um tema urgente. Com a pandemia, os alunos passaram mais tempo conectados e a prática do cyberbullying foi intensificada. As redes de ensino não podem mais ignorar esse assunto e as escolas devem amparar a vítima dando suporte pedagógico e psicológico, além de refletir sobre como atuar em relação aos agressores. Lembrando que se a situação fugir do controle da instituição, é preciso buscar apoio legal, inclusive com o registro de Boletim de Ocorrência em uma delegacia. A conduta pode caracterizar ato ilícito, ato infracional e, em alguns casos, até crime. 

Precisamos formar uma geração mais responsável com suas atitudes dentro e fora das redes. Com as ferramentas certas, é possível promover a conscientização, a empatia e evitar que situações que machucaram várias gerações continuem promovendo dor e sofrimento. 

Foto de Elisa Thobias

Elisa Thobias

Assistente de comunicação

Educomunicadora, é assistente de comunicação.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade