Carregando...
— Colunas e Artigos

Campanha do Corinthians abre espaço para debater violência nas redes sociais

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Posicionamento do time faz com que tema seja mais amplamente discutido

Imagem de destaque do post

📸: SC Corinthians

Entre os dias 22 e 25 de abril, o Corinthians promoveu um “apagão” na comunicação do clube, sem conceder entrevistas para a imprensa ou publicar conteúdo nas redes sociais, como parte da campanha Futebol Sem Ódio. 

Com o silêncio, o objetivo era chamar a atenção para “o clima de violência e a disseminação de ódio e fake news” que, de acordo com o alvinegro, vem deixando o futebol cada dia mais agressivo, “chegando ao extremo do risco físico e trauma psicológico para os profissionais do esporte”, como ocorreu recentemente com o goleiro Cássio, o zagueiro Gil e o meia Willian e suas respectivas famílias.

A proposta do Corinthians ocorre num momento de escalada da violência no futebol, com ataques contra atletas de várias equipes, como Internacional e Bahia, e brigas de torcedores em várias cidades do país.

Nas redes, a campanha dividiu torcedores, alguns acusaram a estratégia de ser uma forma de o elenco se esquivar da derrota para o Palmeiras, no último sábado (23), e ainda questionaram a eficiência do silêncio para combater a desinformação.

Mesmo que tenha gerado resultados contrários às expectativas e que muito possa se falar sobre a execução da campanha, é importante que um clube tenha finalmente colocado essa questão em debate. 

Não é de hoje que se percebe uma alta toxicidade nas mídias sociais e nos fóruns de discussão sobre futebol, o que inclui ofensas a outros profissionais do ramo, especialmente jornalistas que cobrem o esporte. As mulheres, claro, sofrem mais, como é o caso da narradora da ESPN Brasil Luciana Mariano, que afirmou em entrevista recente que já abriu 156 processos por conta dos ataques e ameaças que recebe via redes sociais.

Porém, o problema não será resolvido por um clube sozinho ou uma única ação de conscientização.

Um futebol sem ódio só seria possível numa sociedade sem ódio, porque o que acontece nas plataformas digitais é simplesmente um reflexo da violência, do machismo, da homofobia e do racismo enraizados na vida offline, temperados com grandes doses de clubismo e pela falsa ideia de que o anonimato protege.

É importante que um clube de futebol da magnitude do alvinegro paulistano, com dezenas de milhões de torcedores e torcedoras, se proponha a fazer o nexo entre o que ocorre dentro e fora das mídias sociais, mostrando como discursos inflamados e violentos se intensificaram e quais consequências isso pode ter. Mas é importante que isso seja acompanhado por outros times, por jornalistas e pelas organizações envolvidas com o esporte, com ações contínuas de educação e conscientização sobre as potencialidades e os desafios da sociabilidade torcedora nas mídias digitais o que nada mais é do que uma questão de cidadania em tempos conectados. 

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade