Carregando...
— Colunas e Artigos

Brasil, onde o ódio corrói a democracia

Foto de Mariana Mandelli
Autor Mariana Mandelli Coordenadora de comunicação Sobre o autor

Escalada de intolerância é endossada por discursos de autoridades e mostra a necessidade de se investir em educação para a paz

Imagem de destaque do post

📸: Tribunal Superior Eleitoral

A poucos meses do quarto aniversário de morte de Moa do Katendê, assassinado aos 63 anos em outubro de 2018 após uma discussão em um bar, o noticiário foi permeado pelo ataque a tiros que vitimou Marcelo de Arruda durante a festa em que comemorava seus 50 anos. A motivação dos dois crimes foi a mesma: a intolerância política em ebulição no Brasil.

Tanto Moa, cujo nome era Romualdo da Costa, quanto Marcelo foram mortos simplesmente por manifestarem de forma pública suas crenças ideológicas e partidárias, consolidando um contexto de negação de direitos e da consequente não aceitação do outro que estamos experimentando com intensidade assustadora nos últimos quatro anos.

Ataques sistemáticos às instituições democráticas; aumento vertiginoso de denúncias de intolerância religiosa, racial e de orientação sexual; queda nos índices de liberdade de expressão e de imprensa: os dados são variados e apontam todos na mesma direção. Um dos diagnósticos mais preocupantes é o da antropóloga Adriana Dias: de acordo com monitoramento realizado por ela, entre 2015 e 2021 o número de células neonazistas no Brasil aumentou de 75 para 530.

Tudo isso é fomentado pela disseminação de desinformação de diversas modalidades, com destaque para teorias negacionistas e conspiratórias que acirram ânimos, enclausuram o raciocínio lógico dos seus seguidores e incentivam modalidades diversas de violência dentro e fora das mídias sociais.

É impossível negar a influência dos discursos extremistas governistas nessa conjuntura, que funcionam como autorização para que a não aceitação do outro e de seus valores políticos, religiosos, culturais e morais se intensifique. E é preciso reforçar também que o Brasil não é exceção nessa escalada: o exemplo mais evidente é o dos Estados Unidos, onde tanto a eleição quanto o término do mandato do ex-presidente republicano Donald Trump foram marcados por episódios de violência, com destaque óbvio para a invasão do Capitólio em janeiro.

Mas a multiplicidade de ódios que promete efervescer ainda mais por aqui com as campanhas eleitorais não pode ser encarada como algo repentino, como sociólogos, historiadores e antropólogos já vem apontando há anos ao criticarem o mito do brasileiro cordial. Emprestando as palavras do filósofo e advogado Silvio Almeida em uma entrevista para a Revista Trip em janeiro: “Talvez, diante de tudo o que vem acontecendo, o Brasil tal qual conhecemos não exista mais. Para mim, já não se trata mais de reconstruir o Brasil. Mas de construir um Brasil que nunca existiu“. 

Para que esse País que nunca saiu do imaginário seja criado, onde esse “déficit imenso de civilidade”, como bem definiu o ministro Luís Roberto Barroso, seja mitigado e os direitos constitucionais sejam, enfim, garantidos da forma mais equânime possível, é preciso priorizar políticas públicas que foquem na educação em prol da democracia e, consequentemente, da diversidade e da pluralidade de vozes e ideias.

Não há outra saída, e sabemos disso há tempos. Como bem apontou um dos maiores pensadores e educadores deste País, Anísio Teixeira, cujo nascimento completou 122 anos nesta semana: “Só existirá democracia no Brasil no dia em que se montar no país a máquina que prepara as democracias. Essa máquina é a da escola pública.“ E essa escola pública deve ser laica e antirracista, guiada pela valorização dos direitos humanos, da cultura de paz e do diálogo.

 

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade