Carregando...
— Colunas e Artigos

Ataque à urna eletrônica tem como foco deslegitimar instituições

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

Desinformação é base para ataques e pode gerar outras dúvidas sobre processo eleitoral

Imagem de destaque do post

Imagem: Rubens Cavallari/Folhapress

Ainda nem entramos em ano de eleições e a difusão de desinformação sobre o processo eleitoral brasileiro, principalmente em torno da confiabilidade da urna eletrônica, já corre solta pelas redes.

No ano em que completa 25 anos sem qualquer registro de fraudes, a urna eletrônica tem sido objeto de violentos ataques coordenados. A investida sustenta-se no uso da desinformação em massa como método de desconstrução da credibilidade do sistema eletrônico de votação brasileiro, reconhecido internacionalmente.

Não é de hoje que a desinformação tem servido de base para a construção de diversas narrativas e teorias conspiratórias que podem fragilizar a democracia. E, nesse cenário, a educação midiática torna-se ainda mais urgente para que, desde cedo, crianças e jovens sejam preparados para navegar por tantos conteúdos que chegam diariamente até nós.

Ao contrário do que se vê nas redes sociais, o sistema eletrônico de votação no Brasil oferece, desde 1996, segurança e velocidade ao processo eleitoral. Mais do que isso: as urnas eletrônicas deram fim a um período no qual havia, de fato, o registro de fraudes e uma quantidade enorme de votos inválidos.

Por não estarem conectadas à internet, as urnas estão protegidas de eventuais ataques de hackers. São submetidas a testes rigorosos antes, durante e depois dos pleitos e também podem ser auditadas a qualquer momento. Mesmo assim, a credibilidade das urnas vem sendo atacada por uma infinidade de conteúdos falsos espalhados em redes sociais e aplicativos de mensagens. 

O que é mais grave nessa tentativa de desconstrução é a naturalização das retóricas embasadas em inverdades. Os autores das falsidades criam narrativas falaciosas a partir de premissas erradas, que invertem os valores e, com textos bem elaborados, causam dúvidas até em leitores atentos. 

Com forte carga de emoção e construídas a partir de um núcleo verdadeiro, essas narrativas provocam interpretações equivocadas, que dificultam o trabalho de verificação e a desconstrução da mensagem enganosa. Além disso, a desinformação em torno do processo eleitoral conta com a deficiência da sociedade brasileira em distinguir fatos de opiniões. Sem contar que, ao questionar de forma tão veemente e irresponsável, abrem várias frentes de assédio que colocam em risco o sistema eleitoral como um todo e, com isso, a própria democracia brasileira.

Nesse cenário, em que os rumores ganham ares de verdade, acompanhamos o aumento da polarização radical do debate público e o avanço da disseminação de discurso de ódio, além do enfraquecimento da credibilidade de instituições como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  Como alertou o Prof. Diogo Rais, especialista em direito eleitoral do Mackenzie, em entrevista recente: “À primeira vista, pode parecer que é um ataque a um procedimento (urna eletrônica), mas, na verdade, é uma ataque a uma instituição”. 

Como reação aos inúmeros ataques que vem sofrendo, o TSE decidiu lançar neste mês de maio uma campanha de esclarecimento à população sobre a segurança e confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro. As peças publicitárias, segundo a Agência Brasil, detalham o funcionamento das urnas eletrônicas, os mecanismos de segurança do processo eleitoral e as medidas que são tomadas para auditar a votação. 

A campanha é bem-vinda e muito válida, mas é preciso que a sociedade faça mais, tanto para combater a desinformação quanto para proteger um dos principais direitos do eleitor: o voto secreto e livre. Nessa tarefa, é preciso avançar na implementação de programas de educação midiática, de análise crítica da informação, na identificação e diferenciação entre fatos e opiniões. É preciso preparar o eleitor para que ele possa identificar conteúdos enganosos e, com isso, esteja protegido na hora de exercer a maior expressão da democracia, que é o voto.

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade