Carregando...
— Colunas e Artigos

A urgência da educação midiática

Foto de Mariana Mandelli Foto de Isabella Galante
Autores

Mariana Mandelli
Isabella Galante

Sobre os autores

Com a nova BNCC, professores precisam pensar midiaticamente suas aulas

Imagem de destaque do post

Imagine uma cena comum no intervalo de qualquer escola: alunos e alunas com celulares em punho, trocando mensagens e rindo dos memes compartilhados. Toca o sinal, todos de volta à sala para a aula de língua portuguesa para aprender a identificar e interpretar os diversos gêneros literários entre livros e apostilas. Mas e os memes? Também são textos? Já que os jovens gastam tanto tempo produzindo conteúdos diversos em suas redes sociais – posts, fotos, vídeos –, essas linguagens deveriam ser inseridas no currículo escolar? A digitalização da comunicação trouxe novos tipos de gêneros textuais?

A resposta para todas essas perguntas é a mesma: sim. E quem diz isso é a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino fundamental, aprovada no fim de 2017. Dividido por competências gerais, o texto considera conhecimentos, habilidades, atitudes e valores fundamentais para a vida em sociedade no século 21. Algumas dessas competências referem-se, inclusive, à fluência digital, e compreendem as habilidades necessárias para analisar e publicar informações no ambiente digital de forma crítica, ética e responsável.

Assim, preparar as crianças e os jovens para aprender com senso crítico e responsabilidade é mais complexo do que parece, por um simples motivo: as formas pelas quais consumimos informação e produzimos conteúdo mudaram radicalmente nas últimas décadas. Neste mundo de hiperconectividade, é necessária uma nova abordagem porque se antes éramos apenas receptores, hoje também ocupamos o lugar de produtores de dados e informações. Publicar textos, editar vídeos, postar fotos, criar um blog ou um site nunca foi tão fácil, e as possibilidades são infinitas — inclusive de disseminar conteúdos falsos e maléficos.

A escola, portanto, não pode se isolar desse contexto. Aprender em um mundo conectado subentende um conjunto de habilidades para acessar, analisar, criar e participar de maneira crítica do ambiente informacional e midiático em todos os seus formatos — dos impressos aos digitais. A isso, damos o nome de educação midiática, também conhecida como alfabetização midiática. E é justamente esse conceito que a BNCC exige a partir de agora, especialmente na parte de língua portuguesa do documento — mas não só nela, pois as outras disciplinas não podem ser excluídas desse cenário.

A educação midiática pressupõe questionar fontes de dados, suspeitar da procedência de uma informação, manusear os diferentes gêneros digitais e dominar o conceito de credibilidade, entre outras habilidades que transformam o ato de ler em algo que exige interpretação, criticidade, autonomia e até uma pitada de investigação. Dominar as novas ferramentas e linguagens e formar novos leitores (e escritores) em meio a um mundo perpetrado por desinformação são grandes desafios, porém podem se transformar em realidade a partir do momento em que tivermos a consciência de que educar para a informação é uma decisão nossa como sociedade.

Que tipo de sociedade queremos? Se nossa escolha for por cidadãos livres e capazes de fazer escolhas conscientes, não podemos ignorar a urgência da educação midiática como tema central nas escolas. Precisamos transformar a relação dos jovens com o conhecimento, para que saibam aprender a aprender — e, para isso, os professores obviamente são fundamentais, e necessitam de apoio, formação, material e conteúdo para colocar a BNCC em prática nesse mundo digital que não para.

 

Photo by Kelly Sikkema on Unsplash

Foto de Mariana Mandelli

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação

Mariana Mandelli é coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta.

Foto de Isabella Galante

Isabella Galante

Estagiária do Palavra Aberta

Isabella Galante é estudante de jornalismo na Universidade de São Paulo (USP) e estagiária do Palavra Aberta.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia