Carregando...
— Colunas e Artigos

A solução para as 'fake news' passa pela educação

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

Empoderamento do cidadão é a principal arma para combater a desinformação

Imagem de destaque do post

Não faz muito tempo que o termo fake news passou a fazer parte do vocabulário de qualquer brasileiro, tornando-se uma das expressões mais usadas dentro e fora das redes sociais. Em tempos de coronavírus, em que a informação confiável é crucial para salvar vidas, o combate a esse fenômeno se tornou ainda mais importante.

Mas as chamadas fake news voltaram às manchetes nos últimos dias por conta de outros três motivos: as ações do coletivo digital Sleeping Giants Brasil, grupo que alerta empresas da presença de seus anúncios em sites com conteúdo duvidoso e preconceituoso; a operação da Polícia Federal no âmbito do chamado “inquérito das fake news” do Supremo Tribunal Federal (STF), e a votação do projeto de lei 2630/2020, de mesmo tema, no Senado, adiada para a próxima semana.

Os três assuntos, aliados a todo o cenário de abundância de informação em que vivemos, trazem um grande desafio: como combater as fake news sem que direitos sejam retirados e, ao mesmo tempo, tenhamos um ambiente informacional mais saudável?

O debate em torno de denúncias e medidas restritivas em relação à criação, publicação e compartilhamento de conteúdos falsos é complexo porque esbarra em questões fundamentais. A primeira é a própria definição do que seriam fake news, uma vez que o conceito, tão desgastado, alargou-se de tal forma que significa um vasto leque de coisas, que vão de golpes virtuais a memes divertidos, passando também por opiniões com as quais o interlocutor não concorda e por uma forma eficaz de desqualificar o trabalho da imprensa profissional.

A segunda questão crucial nessa discussão é, obviamente, o possível cerceamento da liberdade de expressão, direito constitucional garantido a todo cidadão brasileiro desde 1988. É evidente que ela não representa um salvo-conduto a ofensas e nem pode servir de escudo para a disseminação de discurso de ódio, inverdades ou práticas intolerantes —afinal, liberdade de expressão não pode ter limites, mas tem consequências. No entanto, em um estado democrático, em que a liberdade de opinião, de escolha e o livro arbítrio são cláusulas pétreas, não pode haver margem para qualquer tipo de censura.

Esses dois aspectos cruciais do debate em torno da desinformação, palavra mais adequada para classificar o fenômeno das fake news que manipula e confunde tanta gente, não podem estar desvinculados de outro fator primordial: a educação midiática.

Vivemos em uma sociedade hiperconectada em que todos produzem e consomem conteúdos o tempo todo, fazendo com que o excesso de opiniões disponíveis sejam um desafio à nossa percepção. Fatos são confundidos com posicionamentos e há a exigência de interpretarmos a intenção, a autoria e o contexto de cada mensagem que recebemos, com o intuito de não curtirmos, comentarmos e compartilharmos mentiras ou conteúdos tóxicos sem saber.

Tal cenário exige uma nova alfabetização, uma educação compatível com essa realidade ultraconectada. Não adianta tratarmos dos sintomas se não prevenirmos a doença, pois estaremos enxugando gelo. Para cada “fake news” tirada do ar em uma rede social, o que será feito com o print dela disseminado por milhares de grupos de WhatsApp?

Ser um usuário da internet e das plataformas sociais exige mais do que uma conexão, um celular, logins e senhas. É preciso ter ética, senso crítico e, principalmente, responsabilidade para navegar na rede, identificando charlatões, teorias da conspiração, boatos, caça-cliques, pishing e tantas outras armadilhas que nos cercam, que vão muito além das notícias falsas.

Os exemplos acima fazem parte do conjunto de habilidades que compõe a educação midiática: saber acessar informações, conseguir analisá-las corretamente e conhecer as técnicas de criação e produção de mensagens. Em suma: ter senso crítico e saber como participar do mundo conectado de forma ética e responsável. Estes são fatores fundamentais e ferramentas que empoderam o cidadão e reforçam seu papel na sociedade.

O problema da desinformação é complexo e, infelizmente, não existe solução mágica ou bala de prata. Também não poderá ser plenamente resolvido a partir de uma lei. Exige sim um acordo social, um esforço coletivo que precisa começar desde cedo, nas famílias e principalmente nas escolas. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) já tem o arcabouço necessário para isso, contemplando a educação midiática de maneira transversal. É preciso colocá-la em prática.

Caso não formemos crianças e jovens midiaticamente educados, estaremos apenas perpetuando o problema. Como ressaltou o ministro Luiz Roberto Barroso, ao assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), instituição que vem atuando fortemente contra a desinformação, “a educação, mais que tudo, não pode ser capturada pela mediocridade, pela grosseria e por visões pré-iluministas do mundo. Precisamos armar o povo com educação, cultura e ciência”. E a educação midiática, que contempla inteiramente essas três dimensões essenciais para exercermos a cidadania em sua plenitude, não pode ficar de fora.

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia