Carregando...
— Colunas e Artigos

A nacionalização da educação midiática

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

Diversidade e imensidão do Brasil são desafios para as políticas públicas educacionais

Imagem de destaque do post

Imagem: Patricia Prudente/Unsplash

Uma das grandes dificuldades para a implementação de políticas públicas num país de dimensões continentais como o Brasil é a regionalização. Cada Estado tem tradições e expressões específicas que compõem a rica cultura brasileira. Com sotaques dos mais diversos, ganha a língua portuguesa e os costumes de cada local. Assim, entender as especificidades de cada região é um grande desafio, ainda mais quando se trata de um tema novo.

Quando começamos a pensar o programa de educação midiática do Instituto Palavra Aberta, o EducaMídia, buscamos antecipar todos os obstáculos que iríamos encontrar. O maior deles, alcançar todo o país e com isso conquistar o ganho de escala tão necessário para fazer com que nossas ações chegassem de fato aos alunos das cinco regiões brasileiras.

Iniciamos a nossa jornada com o objetivo de correr o país com formações presenciais de educadores. O plano era audacioso: 15 Estados em 18 meses. Em 2019 percorremos cinco Estados, em eventos que reuniram mais de 550 educadores. O ano de 2020 começou intenso, com cursos e oficinas menores, mas com um calendário extenso de viagens, iniciando pela formação em São Paulo, onde certificamos 85 educadores de todo o Estado. O planejamento corria a toque de caixa quando fomos atingidos pela pandemia e, consequentemente, pela imposição do distanciamento social e de regras de isolamento. 

Tivemos que reprogramar todas as nossas atividades e rapidamente adaptamos o planejamento para ações online. Com o desafio de manter a rede de educadores que começava a se formar engajada, optamos por estabelecer um encontro semanal em horário fixo desde a primeira semana. Foram 39 lives EducaMídia, em que abordamos temas voltados para apresentar a educação midiática na prática. Tratamos também de assuntos quentes como combate à desinformação e ao negacionismo na ciência, combate à intolerância e discurso de ódio, além de temas como importância da representação e de ações antirracistas na escola.

Mas o desafio da nacionalização continuava, assim como o desafio de transformar a formação online para o ambiente digital. Além de inúmeras participações em eventos fora de São Paulo – viajamos para todo o Brasil virtualmente – lançamos em setembro a primeira edição online da formação de Multiplicadores EducaMídia. Foi uma alegria ver o interesse pelo tema. Foram mais de 1000 inscritos, 735 selecionados e 350 certificados. A satisfação maior foi ver que o Brasil estava representado. Tivemos participantes de 25 Estados, de cidades de todos os portes, com educadores de perfis distintos, mas que tinham o interesse comum de se tornarem multiplicadores EducaMídia. 

Já no primeiro encontro ao vivo – foram 5 ao longo de 12 semanas – tivemos a grata surpresa, quando ao propor uma atividade voltada para a análise crítica da informação, de encontrarmos os mais variados sotaques e expressões. Nas formações, usamos algumas perguntas para fazer com que os educadores passem a questionar os conteúdos que recebem, perguntas estas que podem ser resumidas como “Epa, peraí, o quê?” 

A reação imediata da audiência foi começar a publicar no chat como seria essa expressão em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em Goiás, no Paraná, em Santa Catarina, no Ceará e em tantas outras localidades. Que experiência incrível ver que uma simples expressão, se “traduzida” conforme os costumes de cada região, pode chegar de forma mais efetiva e natural para os estudantes de cada localidade. 

Neste processo de formação, intenso e de grande aprendizado, tivemos a oportunidade de conhecer práticas inspiradoras de educadores de todo o Brasil que, a partir da sua experiência e vivência cultural, contribuíram muito para o entendimento da educação midiática como uma camada que perpassa todo o currículo escolar. 

A nacionalização ainda é um grande desafio, mas a cada dia vamos colocando um ponto em cada região do nosso país. São ações de fôlego e muito animadoras, como o acordo de cooperação firmado, no último dia 14, com o Ministério Público do Estado do Acre e a Universidade Federal do Acre para desenvolver a educação midiática no estado. 

Sabemos que ainda há muito a fazer, mas temos certeza do poder transformador da educação midiática como ferramenta necessária para tornar a nossa sociedade mais inclusiva, mais diversa, mais plural e mais democrática. É um aprendizado que se realiza ao longo da vida, mas que precisa ser iniciado ainda nos primeiros anos.  

Aproveito esta última coluna de 2020 para agradecer a todos que compõem o Instituto Palavra Aberta – Conselhos Diretor, Consultivo e EducaMídia. e, em especial a equipe – Daniela Machado, Daniela Ramos, Elisa Tobias, Mariana Mandelli, Mariana Ochs e Saula Ramos – formada por profissionais comprometidas e dispostas a encarar grandes desafios. Agradeço também a esta FOLHA, nas pessoas de Sérgio Dávila e Fábio Takahashi, por ter aberto espaço para tratarmos de um tema tão relevante e urgente.

 

Encerramos as nossas atividades do ano com a certeza de termos avançado, mesmo com todas as dificuldades desse ano turbulento. Retomaremos em janeiro, com o mesmo compromisso e entusiasmo, para trabalhar em prol da nacionalização da educação midiática e da defesa intransigente da liberdade de expressão.  

 

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade