Carregando...
— Colunas e Artigos

A educação midiática como direito

Foto de Patricia Blanco
Autor Patricia Blanco Presidente do Instituto Palavra Aberta Sobre o autor

Educar para o acesso qualificado à informação empodera o cidadão e ajuda a transformar a sociedade

Imagem de destaque do post

Imagem: Bermix Studio

Não é de hoje que batemos na tecla da importância de investir recursos e energia visando a melhoria da educação no Brasil. Essa afirmação, que virou lugar comum para muitos, aparece em 10 de cada 10 programas eleitorais de qualquer pretendente a cargo eletivo – de vereador a presidente –, mas ganhou pouco espaço na prática.

Ao olharmos o cenário atual, mesmo com essa “quase” unanimidade nas campanhas, ainda nos deparamos com uma triste realidade: 67% dos jovens de 15 anos no Brasil – quase 7 em cada 10 – não conseguem diferenciar fatos de opiniões quando fazem leitura de textos (OCDE, maio de 2021); 30% da população tem dificuldade para interpretar textos e são considerados analfabetos funcionais, segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf); 1,4 milhão de crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos estão fora da escola, de acordo com estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Sem contar o  abismo de desigualdade de acesso que a pandemia escancarou. 

Falar em educação midiática nesse cenário pode parecer descabido quando nos deparamos com problemas maiores como o simples acesso – físico ou remoto – à escola, por exemplo. O fato é que, se realmente quisermos preparar crianças e jovens para atuarem de forma plena na sociedade conectada do século 21, precisamos encarar a educação midiática como pressuposto fundamental para o desenvolvimento dessa geração, de forma que os estudantes de hoje se tornem cidadãos aptos a atuar de maneira ética e responsável em qualquer ambiente – seja no digital ou fora dele. 

Ainda que o acesso à informação e à tecnologia não seja universal, crianças cada vez mais novas, de qualquer faixa de renda ou localidade, estão tendo acesso a ferramentas digitais que permitem a elas ver o mundo a partir das telas de dispositivos móveis, ao alcance das mãos. Sem um mínimo de preparo ou mediação de pais e responsáveis, essa ferramenta pode se transformar numa verdadeira fonte de problemas. Por outro lado, se bem utilizada, se transforma numa grande janela para o conhecimento. 

Assim, minimizar os riscos e ampliar as oportunidades passa a ser um objetivo que deve ser perseguido por todos. Ensinar crianças e jovens a acessar, analisar, criar e participar de maneira crítica e segura do ambiente informacional e midiático, em todos os seus formatos, é uma necessidade urgente. Como diz a professora Renee Hoobs, uma das principais especialistas no tema, os resultados serão de longo prazo, mas as ações de educação midiática precisam começar imediatamente. Não podemos mais esperar.

Foi com o objetivo de capacitar e engajar professores e organizações de ensino no processo de educação midiática de jovens que o Instituto Palavra Aberta lançou, em junho de 2019 – há exatos 2 anos –, o EducaMídia. Nestes dois anos, o programa se fortaleceu e os resultados começaram a aparecer. O tema entrou na agenda, desenvolvemos inúmeros materiais e planos de aula, formamos uma rede de multiplicadores espalhados pelo Brasil e impactamos mais de 650 mil alunos. Certificamos cerca de 22 mil educadores via curso EAD, formações presenciais e formação 100% online, e firmamos convênios e termos de cooperação com redes estaduais e municipais de educação, visando oferecer treinamento e recursos aos professores e alunos. 

Se, por um lado, os resultados são bastante animadores e nos incentivam a continuar, por outro vemos a imensidão do Brasil e o desafio de ampliarmos a nossa atuação tanto regionalmente como também para públicos diversos, dentro e fora do ambiente formal de educação.

O ganho de escala sempre foi uma meta e hoje, graças ao novo aporte financeiro do Google.org e ao apoio dos fundadores do Palavra Aberta, teremos condições de alcançar esse objetivo. Serão mais 5 milhões de reais, a serem investidos até 2023, que nos permitirão dar seguimento à formação de educadores, à produção e à oferta de materiais pedagógicos e planos de aulas, sempre de forma gratuita, além de possibilitar a ampliação das ações do EducaMídia para todo o território nacional. Permitirão também ampliar o público a ser atingido para além dos muros das escolas, como comunidades vulneráveis, jovens eleitores e geração 60+. 

Os ganhos da educação midiática são inúmeros. Para o pesquisador italiano Paolo Celot (EAVI), “ser educado midiaticamente não é mais uma vantagem competitiva, mas sim uma desvantagem debilitante não ser”. Para a UNESCO, a educação midiática empodera o cidadão e deve ser encarada como um aprendizado para a vida toda. 

Para nós do Palavra Aberta, a educação midiática é inclusão e cidadania. Transforma informação em conhecimento e prepara o indivíduo para que ele possa, de forma ética, responsável e segura, exercer o seu direito fundamental à liberdade de expressão. E, por todos esses motivos, precisa ser entendida como um direito de todos. 

Foto de Patricia Blanco

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta

Patricia Blanco é presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema.

Voltar ao topo
FAÇA
PAR—
TE

Venha para nossa rede de educação midiática!
Fique por dentro das novidades

Receba gratuitamente nossa newsletter

Siga nossas redes sociais

Que tal usar nossa hashtag?

#educamidia

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade